3.5.07

O ASPIRADOR TEMPORAL




Agora nunca vens ter comigo. Dizes que deixaste de ter tempo. Ora aí está uma questão bem interessante. Só se o perdeste em algum sitio. Queres que o vá procurar? Acho que vou à secção de perdidos e achados a ver se encontram esse tempo perdido. O problema é que não sei descreve-lo para um retrato-robot. E se o vir, acho que não vou conseguir reconhece-lo. Tem forma de quê? Aspirador digital sem, ponteiros? Como é que as pessoas deixam de ter tempo? Nunca percebi. Tem-se tempo e de repente, de um dia para o outro, deixa-se de o ter. Evapora-se. Desaparece instantaneamente atrás de uma máquina de fumos ou gelo seco? Ter ou não ter tempo, eis a questão. Será que o teu dia é mais curto que o meu? Será que o teu relógio não marca as 24horas diárias e ultrapassa duas ou três, eliminando-as como que desclassificadas da corrida? Que corrida é essa contra o tempo? O tempo não estica e andamos todos a correr contra o tempo. Porquê contra o tempo? Eu até nem tinha nada contra ele. Que inimigo é esse? Quem lhe declarou essa guerra? É por causa dessa guerra declarada, que ele começou a aspirar e a absorver as pessoas para uma espécie de buraco negro intemporal? Desculpa, mas essa desculpa, de não teres tempo não existe. Que eu saiba todos temos exactamente o mesmo tempo. Aliás, todos vivemos exactamente no mesmo tempo. A máquina do tempo também não existe, trata-se de uma metáfora de filmes de sábado à tarde dos anos 80. E pensando bem, o tempo nem sequer existe. Trata-se de um mero conceito inventado por nós. Afinal quanto tempo, tem o tempo? Em criança aprendi que, o tempo perguntou ao tempo, quanto tempo o tempo tem e que o tempo respondeu ao tempo, que o tempo tem tanto tempo, quanto tempo o tempo tem. Mas, o único tempo que existe é aquele que se pode medir do nascer ao pôr-do-sol. Não existe outro tempo além deste. A divisão que fazemos desse resultado, é completamente aleatória e não existe. Foi inventada por nós. Os minutos e as horas, como divisões temporais, não existem. São contas de somar e dividir, equações de quem não tem nada para fazer a tanto tempo de sobra. Quem é que se deu ao trabalho de medir com uma fita métrica temporal, a distancia que vai de um sol ao outro? E quem é que se pôs a dividir em parcelas esse resultado? Inventou as horas, para quê, pergunto? Para que se inventam as horas se elas não chegam? Para que se inventa uma coisa que depois não chega para nada? O homem deve ser mesmo masoquista. Inventa um tal de tempo, que afinal nem sequer lhe chega. Inventou o tempo. E agora diz que não tem tempo. É mesmo coisa de homens, inventar coisas que não servem para nada ou que nem sequer chegam. Criam uma solução que nem lhe responde às necessidades. Eu a isso chamo masoquismo. Mas segundo estipulado pelo masoquista criador temporal, o dia tem sempre 24horas, quer na tua casa, quer na minha. E o teu, certamente que também as tem. Olha lá bem o teu relógio? Vê lá se não marca vinte e quatro possibilidades de estarmos juntos por dia? Sabes, é que o tempo que existe, não é aquele que contas no relógio, mas aquele que eu quero passar contigo. O tempo, é aquele que passo cheia de saudades tuas. Esse sim, garanto-te que existe. E por mais forte que seja esse aspirador que aspira e absorve as pessoas para uma espécie de buraco negro intemporal, o tempo, essa saudade espalha-se por toda a minha casa e é vê-lo a suspirar por ti. Acredita que a saudade é bem mais forte que esse aspirador temporal. Mas se eu apanho esse aspirador, vou ter uma grande conversa com ele. Vou dizer-lhe das boas. Tiro-lhe o saco, faço-lhe, não sei quantos buracos com agulhas de vudu, que ele há-de espremer os minutos todos que tem. E depois quero ver-te a inventares novas desculpas para não me vires matar as saudades intemporais.

9 comentários:

Denise disse...

São as pessoas mais ocupadas que têm tempo para tudo. Quantas vezes os meus dias tiveram 48 horas sem que ninguém se desse conta?! Quantas vezes desdobrei 24 horas para conseguir fazer tudo e corresponder a tudo?! Muitas...e olha que sou novinha...
Enfim, tempo, uma treta que inventaram para justificar a vontade, ou a falta dela...!

Beijinhos*

Morgaine disse...

Ora aí está uma coisa que eu sempre disse: o tempo não existe. Foi o homem que o inventou, acreditou tanto que se tornou escravo dele. Um dia.. apercebe-se de que perdeu algo de muito precioso. E lamentou term ligado tanto ao tempo que inventou.

A propósito, descobri o teu espaço através da nena,espero ser bem vinda mas há algum tempo que te leio sem coragem para comentar. É que gosto da tua escrita. Lembra-me muito o mundo real.
Bjs

pedrocrispim disse...

é engraçado como essa "falta de tempo" ja nos tocou a todos...é curioso como esse tempo que deixou de existir magoa, quase como um presentimento de algo que não está bem.

abraço e sucesso

pedropina disse...

morgaine: bem vinda claro k sim! amiga da nena? entao seras alguem mt especial conceteza! eu amo a nena

pedro:verdade ser um pressentimento...que por vezes nao keremos ver..."i've been there" by the way gostei mt de o conhecer finaly
hug

denise: princesa de moçambike, nos falamos todos os dias, sem falarmos verdd? eu ultimamente tenho perdido a formula para esse desdobramento, mas vou voltar a ter 48h por dia!...sera k em portugal ha menos horas k em moçambike?

Lu@r disse...

Quando queremos existe sempre tempo...

Quando não existe tempo é porque não existe nada mais.

Abraço

Morgaine disse...

Eu também amo a nena hehehe :)
Ela é única!
Bjs

Nuno disse...

Olha aí está algo que daria horas e horas de conversa, pelo menos para mim. O tempo, o que é? Onde está, porque está?
Para quê? Porque não? Porque sim? Porquê?
bem....Abraço e parabéns por mais uma crónica fantástica.

Just Me, a single one... disse...

Embora haja sempre tempo para tudo, como é mais que óbvio, nem sempre conseguimos fazer tudo num só dia... Acho que temos todos que estabelecer prioridades, e o que não se faz numas 24h, far-se-á nas próximas 24 ou um dia quem sabe...
Tudo uma questão de prioridades e não de vontade, ou falta dela...!

Pralaya disse...

Realmente quando alguém nos diz que não têm tempo magoa mais do que dizer que não nos quer ver...