14.5.07

É DE MIM, OU ESTÁ CADA VEZ MAIS FRIO?



Está frio. Ou sou eu, ou está cada vez mais frio nesta casa. Há dezoito anos atrás não estava assim tanto frio. Bem sei que entretanto o clima mudou e os raios solares chegam cada vez com mais intensidade ao nosso planeta e está tudo desregulado. Mas por isso mesmo, não entendo. Era suposto eu ter cada vez mais calor e não tanto frio. Estou enrolada nesta cama fria num cobertor e tento não me mexer. Há uns anos atrás tu estarias aqui comigo, abraçado a mim. Talvez já estivesses a dormir, mas os teus braços protegiam o meu corpo que se aninhava em ti e acabava por adormecer aconchegado e quentinho. Agora não há maneira de aquecer. Vou buscar mais dois cobertores e enfio-me por baixo. Sinto que o colchão está frio. Será que é de mim ou tu também sentes frio no escritório? No outro dia fui lá limpar e vi que compraste um aquecedor. Provavelmente também tens frio. Mas mesmo assim isso não te impede de agora passares as noites todas lá em baixo no escritório que montaste na garagem. Quando voltas para cima, deves colocar o teu corpo aí ao fundo da cama, porque de manhã vejo-o sempre aí. Vou buscar mais um cobertor e um edredon que está há dez anos no cimo do roupeiro e que nunca foi usado. Quando o compramos achei que não havia necessidade. Estávamos casados à oito anos e eu sentia-me feliz. Uma mulher feliz não precisa de edredons. Mas muita coisa mudou entretanto. Passaram dezoito anos. Tu estás lá em baixo no escritório, agora passas lá as noites. Eu estou aqui, nesta cama vazia, silenciosa e muito fria, enrolada em cobertores. Estás dezoito anos mais velho e mais gordo. Nunca foste muito falador mas com o tempo foste perdendo a voz. Agora quase não falamos. Eu bem tento. Já puxei à conversa algumas vezes “O assunto” mas fica sempre adiado para o dia seguinte, e depois parece que não temos nada a dizer um ao outro. Já quase não falamos. Fica um silêncio e um vazio quando os nossos corpos já não se falam nem se tocam à mais de três anos. Fica um vazio nesta cama que arrefece dia após dias, e fica um vazio em mim que te vejo dormir de costas viradas. Viraste-me as costas nesta cama e neste casamento. Montaste o escritório lá em baixo e casaste-te com o teu trabalho. Talvez para te refugiares, talvez para não teres de enfrentar o que está a acontecer. E para fugir ao nosso afastamento, fugiste lá para baixo e ainda nos afastaste mais. Existe um silêncio e um vazio nesta casa e no meu coração. A minha vida tornou-se silenciosa como o nosso casamento. E o meu corpo tornou-se frio como esta cama. Tenho cada vez mais frio. Visto um casaco de malha e um roupão por cima do pijama. Mas continuo a sentir-me desprotegida. Sinto-me a deambular por um casamento que outrora existiu mas do qual hoje apenas sobrevivem alguns restos que testemunham dezoito anos de vida. A cama está cada vez mais fria. Não há maneira de eu aquecer esta noite. Vou buscar os casacos de inverno compridos, os sobretudos e as gabardines e coloco-as por cima dos cobertores e edredon. Enfio-me por mais de uma montanha de roupa. Acho que tenho de começar a fazer isto todas as noites, antes que um dia destes acorde congelada contigo ao meu lado, melhor dizendo, de costas para mim. Vou tentar adormecer. Com este peso todo em cima só tenho duas soluções, ou aqueço-me de uma vez por todas e deixo de ter frio para o resto da vida, ou sufoco até ao fim de tal forma que deixo de respirar por completo e saio deste casamento deixando para aí o meu corpo colocado na cama ao lado do teu.


(à Zé)

4 comentários:

Denise disse...

A isto eu chamo: Uma atitude imcompreesivel... Ultrapassa-me, não consigo entender o que leva as pessoas a tal ponto. Amor?! O amor não é isto...!

Acho que me entendes.
Beijinhos*

just me, a single one... disse...

Já conheço a tua "obra" há algum tempo e digo-te: és fantástico!
Sinto que tens tudo para seres feliz, junto daqueles que amas e dos teus amigos também! Ás vezes é só preciso um empurrãozinho :)
Quanto às crónicas... Esse livro sai ou não sai?? Já estou à espera há muito tempo...
Abraço deste lado do oceano...

pedropina disse...

just me, obrgd!!! mas de k lado do oceano estás tu?

Pralaya disse...

Esta situação é tão comum, não perceber que as relações as vezes terminam e o melhor é colocar um ponto final de vez e não deixar o frio entrar até congelar e não reagir mais.